Logo Creative Society SOCIEDADE
CRIATIVA

A Sociedade Criativa é uma garantia de liberdade e direitos iguais para cada pessoa!

29 de novembro de 2021
Comentários

O anseio pela liberdade é uma das necessidades interiores mais fortes do homem. Ao alcançar a liberdade, as pessoas vêem uma chance de garantir uma existência independente e segura como a oportunidade de construir uma vida de conforto e felicidade. O conceito de “liberdade” pode ser encontrado em diferentes épocas históricas. Isto ocupava as mentes de muitos pensadores da história, usado por figuras religiosas e políticas em apelos ao povo. Continua a ser operado e manipulado no dia-a-dia, desde a compreensão individual da palavra até à dimensão dos países da sociedade no seu conjunto. Existem muitas declarações e convenções sobre os direitos humanos, liberdade pessoal, slogans e manifestos que apelam a este grande objetivo. Ao mesmo tempo, nos últimos 6.000 anos, apesar de toda a diversidade do uso desse termo, nenhuma promessa da liberdade para toda a sociedade e para todas as pessoas foi ela realmente levada à sua implementação prática. 

A história está repleta de exemplos quando sob o grande slogan “liberdade” começaram guerras sangrentas e revoluções, houve invasões ilegais no território de outros países. Assim foi justificado o maior número de conflitos políticos, ações anti-humanas foram bloqueadas, destinadas a enriquecer alguns em detrimento de outros.Sob boas metas externas, tem havido uma intervenção forçada na vida dos civis, pondo em risco não só a sua existência pacífica, mas também a questão da sua segurança e da preservação da vida. A razão disso é o formato de consumo das relações da sociedade.

O próprio desejo de liberdade do homem é nobre e absolutamente natural. Mas na nossa sociedade mundial, vivendo no formato de relações de consumo, o conceito de “liberdade” tornou-se sujo de engano, mentira, manipulação na suja realização de objetivos egoístas de poucas pessoas com o objetivo de seu controlo total sobre as massas. Por 6.000 anos, usando com a nobre necessidade interior das pessoas tem acontecido um jogo desumano com as pessoas na busca de poder sobre elas.

As leis da sociedade de consumo continuam a ser as mesmas em todos os momentos da sua existência. Recordamos exemplos históricos do sistema de escravatura. Na Mesopotâmia Antiga, pela incapacidade de pagar dívidas aos seus reis, as pessoas venderam-se à escravatura. Desde a Terceira Dinastia Ura, os cidadãos livres tornaram-se escravos por causa de dívidas ou fome, e os pais empobrecidos foram forçados a vender os seus filhos. No primeiro milênio AC. na Babilônia havia escravidão do templo. Entre os escravos estavam prisioneiros de guerra, dados ou legados ao templo, e pessoas livres: mendigos, filhos de pais pobres, dados para a salvação da fome.

As leis da Hammurabi são um excelente exemplo desse tempo. Estas leis formalizaram legalmente a existência de um Estado escravo. De acordo com o Código Hammurabi, poderiam tornar-se escravos não só prisioneiros de guerra, mas também pessoas livres. O Código visava proteger os proprietários de escravos de escravos astutos. Apenas uma pequena porcentagem das leis deu aos escravos uma oportunidade formal de obter liberdade. O processo de contestação de sua posição de escravo ocorreu no tribunal, mas se ele perdesse, as consequências para o escravo estavam longe de ser reconfortantes.De acordo com as leis do código, o preço médio de um escravo era de 150-250 gramas de prata, o mesmo pagamento era para o aluguer de um boi contratado.

Existem muitos exemplos desse tipo na história do sistema escravista. Na Antiga Judeia, no Antigo Egito, um homem livre tornou-se escravo devido à sua incapacidade de pagar as suas dívidas. A escravatura foi um resultado natural da pobreza. Os camponeses vendiam-se à escravatura, sentindo necessidade de comida e abrigo, porque a vida dos escravos era valorizada mais do que a vida dos camponeses e, consequêntemente, era muitas vezes melhor.

Ou seja, foram criadas condições para as pessoas comuns que não tinham escolha a não se vender a si próprias e à sua família à escravatura. A população foi deixada para si mesma sem os meios para sua existência continuada. Em uma sociedade egoísta de consumo e lucro, a existência livre do homem é desvalorizada como desnecessária e desvantajosa para os senhores.Deixando de ser dependente do dono, a pessoa foi privada do valor de mercado de um escravo, ganhando a liberdade apenas formalmente.

O mesmo aconteceu durante a época da escravidão assalariada , quando o sinal de “escravo” foi substituído pelo sinal de “trabalhador assalariado”. O valor da vida do empregado para o proprietário era muitas vezes ainda mais baixo do que o escravo, uma vez que o empregado teve a oportunidade de sair. Mas, novamente, as condições sociais para a existência da pessoa daquela época não lhe davam quaisquer garantias para as suas necessidades vitais. Conseqüêntemente, ele poderia escolher trabalhar como o empregado e depender dele, ou a pobreza, a fome e até a morte.

Comum na existência de escravos dos séculos passados ​​e do homem moderno

Se compararmos a existência de escravos dos séculos passados com a existência moderna do homem comum, podemos ver a mesma exploração, pobreza, necessidade, opressão, uma falta crónica de fundos para satisfazer necessidades básicas, uma corrida constante à sobrevivência. Obrigações de dívida, a real falta de direito de escolha, restrições constantes, altos impostos e ao mesmo tempo, trabalho árduo e salários escassos — a presença destes fatores é omnipresente na moderna “sociedade livre civilizada” para a maioria da sua população. A igualdade na sociedade existe frequentemente apenas no papel. A liberdade que é vital para cada pessoa, que de fato deve servir como um dos pilares dominantes da sociedade,no formato de relacionamentos consumidor é uma ferramenta hábil de unidades para manipulação rentável das massas.

Apesar da mudança de aparência e dos slogans altos com as palavras “democracia”, “liberdade” e “independência”, a escravatura como era no tempo de escravatura, ficou o mesmo até agora, mas de uma forma mais camuflada. A democracia em todos os tempos foi apresentada como uma sociedade de pessoas livres com autogoverno do povo, mas a realidade não corresponde a um belo letreiro.

O conceito de “democracia” tem origem na Grécia Antiga. Em um Polís Democrático de Atenas, a chamada “assembleia do povo” era o órgão de governo supremo. Ao mesmo tempo, a antiga sociedade grega estava estritamente dividida, incluindo com base no género. Havia uma escada hierárquica de poder. As demos consistiam em cidadãos livres do sexo masculino com direitos civis. Eles estavam em minoria em comparação com os outros. O resto da população era considerada como inferior.Na compreensão de homens helénicos completos, as mulheres eram criaturas da 

classe baixa. Os escravos não eram considerados como pessoas. A parte privilegiada da sociedade concedeu empréstimos sob a garantia da identidade ou da terra do devedor. O desenvolvimento das relações entre mercadorias levou ao aparecimento de escravos ligados ás dívidas. O sistema político democrático do antigo estado na verdade correspondia ao sistema de escravatura com uma bela nova placa.

As leis estatais de muitos países democráticos modernos não são apenas elaboradas no interesse da minoria e servem para melhorar seu bem-estar, mas também são arranjadas de tal forma que torna impossível para a maioria da população corrigir e mudar essas leis. Um cidadão comum não pode participar na formação da sociedade e, por conseguinte, influênciar a melhoria do seu bem-estar e da sua sociedade no seu conjunto, não pode revogar leis que prejudicam a vida das pessoas, a sua segurança e saúde. Os cidadãos de muitos países continuam desumanamente esmagados por impostos elevados, obrigações de dívida, não têm tempo de participar na vida pública. A ordem pública no mundo moderno é estabelecida pela expressão ativa da vontade dos poucos indivíduos e pela passividade da maior parte da população. Essa posição passiva é um apoio não falado para o domínio de alguns sobre outros com a delegação do poder para eles.

Mas onde está a nossa responsabilidade? Onde está a participação de toda a sociedade em benefício da própria sociedade, e não de individuais em benefício apenas para os mesmos individuais? Onde está a posição ativa e a responsabilidade pessoal de cada pessoa? Não são nós que vamos viver na sociedade que formamos? Mas nós a formamos apenas pela ação, mas também pela inação. Mas essa inação não é uma transferência tácita de responsabilidade e, portanto, uma transferência dos seus direitos e liberdades? Onde está a participação de todos? O que deveria ser? Qual é a alternativa para quebrar o impasse do formato de relacionamento do consumidor?

Se, no formato de consumo a liberdade das relações, a igualdade dos direitos e a igualdade de oportunidades para cada pessoa forem deliberadamente excluídas, é necessário alterar o formato das relações humanas. Hoje, a única alternativa para construir uma forma pacífica de uma sociedade livre e honesta para cada um dos seus habitantes é a construção de uma Sociedade Criativa.

O formato da relação consumidor — é deliberadamente a divisão e a degradação da sociedade no consumo incomensurável com o seu fim inevitável. O formato criativo das relações é uma sociedade de unidade, liberdade, paz, igualdade de direitos e enormes oportunidades para todos com a evolução da humanidade para uma sociedade ideal, uma sociedade dos sonhos de todos. Uma Sociedade Criativa — é a única maneira que pode tirar a humanidade para fora do impasse do consumo e da autodestruição.

Os pilares da Sociedade Criativa são os 8 Fundamentos da Sociedade Criativa.

Tocando neste artigo um assunto tão delicado para hoje, relativo à liberdade e aos direitos Humanos, é apropriado citar o segundo fundamento de uma Sociedade Criativa — a Liberdade Humana.


A segunda Fundamento da Sociedade Criativa:

A Liberdade Humana

Qualquer pessoa por nascimento tem direito de ser um ser Humano. Todos os seres Humanos nascem livres e iguais. Todos têm o direito de escolher. Não pode haver ninguém nem nada na Terra acima de um ser Humano, da sua liberdade e dos seus direitos. O exercício dos direitos Humanos e das liberdades não deve violar os direitos e liberdades de outras pessoas.

A segunda Fundamento da Sociedade Criativa

A segunda Fundamento em conjunto com o resto dos fundamentos, revela-nos uma compreensão holística necessária para entender os pilares básicos e orientações de uma sociedade livre e da existência de um Homem, que é livre nela. Numa Sociedade Criativa, a escravatura, a coação, a supressão, a humilhação, a restrição de qualquer pessoa é excluída. A vida de cada ser humano adquire o mais alto valor necessário como livre e igual com a existência garantida dos seus direitos. Remove- se o valor mercadoria de consumo do indivíduo como escravo, como uma coisa. 

Cada pessoa numa Sociedade Criativa tem a garantia de ganhar liberdade e muitas oportunidades. Agora, para sobreviver, muitos têm que pisar nos outros. E mesmo que se possa acumular um pequeno capital, ninguém tem a garantia de que amanhã ele não o perderá, e todos os seus muitos anos de trabalho não cairão no esquecimento, e ele não ficará sem nada. Isto não vai acontecer na Sociedade Criativa. Cada pessoa que já nasceu recebe o direito de garantir suas necessidades básicas, casa, alimentação, medicina de alto nível e a educação necessária. Os direitos e liberdades de cada pessoa são protegidos e valorizados na sociedade. Se desejarem, todos podem participar na gestão da sociedade, tendo o direito absoluto de o fazer em pé de igualdade com todos, assumindo a responsabilidade pessoal perante todas as pessoas. Todos os membros da sociedade poderão participar na formação de leis públicas, na sua mudança ou abolição.

Nesta era do progresso científico e tecnológico, quando surgiu uma tecnologia como a Internet, capaz de reunir muitas pessoas de todo o mundo, é absolutamente possível fazer tudo isto. A rede internet mundial permite criar as condições necessárias para decisões comuns para toda a sociedade, informando toda a humanidade, se necessário, contribuindo para a rápida consolidação de pessoas em todo o mundo.

As pessoas precisam de liberdade! Este é o fator mais importante na sua existência normal, o seu desenvolvimento saudável. A liberdade e a igualdade na sociedade abrem oportunidades para a divulgação interna das melhores qualidades de cada pessoa, do crescimento pessoal individual e da criação em benefício da mesma sociedade. Isto cria um impulso para o necessário desenvolvimento evolutivo da sociedade. Só um vetor criativo do desenvolvimento dos acontecimentos tornará finalmente possível respirar profundamente e sentir uma posição segura sob seus pés para quem o sistema consumidor cortou o oxigênio da vida, perturbando o equilíbrio e a estabilidade.

Você diz que é impossível criar tal sociedade? Não é esta opinião imposta ao seu pensamento por aqueles que não vêem o benefício da sua liberdade? Não é nesta limitação que esta escondida a alavanca de controlo sobre nós? Duas coisas terríveis foram feitas à humanidade: separaram a nossa única família, porque é mais fácil gerir-nos, e impuseram psicologia escrava às massas. Mas a nossa força na unidade e a nossa força na liberdade! Se as pessoas escolherem a Sociedade Criativa na prática, não no papel, nada nem ninguém vai tirar a sua liberdade, e seus direitos nunca mais serão violados!

Cada um dentro entende que a criação de tal sociedade é possível, real e vitalmente importante. Cada um sonha com uma vida tão livre e maravilhosa! Numa Sociedade Criativa, liberdade e igualdade serão a realidade prática de todos. Isso levará inevitávelmente à evolução, criando as condições necessárias para a realização de uma sociedade ideal. Só a união de todos num único objetivo criativo tornará real e viável a realização do sonho de todos de uma vida feliz e pacífica. Uma sociedade criativa é uma sociedade livre, com as mesmas oportunidades para todos, proporcionando um direito real de escolha, garantindo uma vida segura e gratuita para todos nós.

O que é a Sociedade Criativa

Na realidade, construir uma Sociedade Criativa é absolutamente fácil, se todos os que compreendem esta necessidade vital participem ativamente na implementação desta iniciativa humana universal para todos as pessoas. Podemos fazer isso juntos ao criar, nos unir e consolidar! É suficiente que as pessoas parem de transferir a responsabilidade de seu próprio destino e pelo destino de toda a humanidade, tomem a situação em suas próprias mãos, parem de ouvir promessas vazias e se unam às mesmas pessoas solidárias em ações pacíficas positivas construtivas, agora. Todos nascemos iguais! Está ao alcance de todos envidar todos os esforços para devolver a verdadeira liberdade para si e para toda a humanidade, construindo um novo formato de relacionamento. Somos todos uma sociedade, uma humanidade, uma família. Agora existe uma chance real de reviver em igualdade e fraternidade a família humana que foi uma vez perdida. Diante da escolha entre a vida e a morte para toda a humanidade, a resposta é óbvia: todos querem viver!

Não há vida sem liberdade, a liberdade sem igualdade, e igualdade sem uma Sociedade Criativa em que cada Homem é valorizado! A verdadeira igualdade, liberdade e auto-realização individual são possíveis apenas numa Sociedade Criativa. Esta é a única saída para todos nós. Uma sociedade criativa é a única maneira de sobreviver a ti, aos teus entes queridos e a toda a humanidade, para despistar o fardo da escravatura e ganhar a tão esperada liberdade. A escolha é tua!

Alex Friedman

Faça um comentário