Logo Creative Society SOCIEDADE
CRIATIVA
Participe

A nossa Terra é uma grande lixeira?

26 de janeiro de 2022
Comentários

Há 8 mil milhões de pessoas a viver na Terra. Habituamo-nos a tratar o nosso planeta de forma consumista e nem sequer pensamos no facto de que estamos a prejudicar-nos a nós próprios em primeiro lugar. Num mundo onde tudo está sujeito ao desejo de enriquecimento e à procura das soluções mais fáceis e baratas, onde os recursos são utilizados de forma irracional, o lixo tornou-se um dos problemas mais graves da nossa sociedade.

  • Como eliminar tantos resíduos?

  • Quem vai pagar a reciclagem?

  • O que se passa realmente nesta área?

  • E porquê surgiu a máfia do lixo?

Com o apoio das informações bem recolhidas e analisadas pelos voluntários da Sociedade Criativa, todas estas questões foram analisadas e divulgadas publicamente na Conferência Internacional ao vivo "Crise Global. Hora da Verdade"

 

Autilização não eficiente dos recursos

Somos tão gastadores com os recursos que produzimos muito mais do que podemos consumir. Deitamos fora comida, roupa nova e até carros novos.

  • No Deserto do Atacama, no Chile, formou-se uma grande lixeira de roupa nova não vendida. Com a rápida mudança nas tendências, muitas roupas tornam-se indesejadas. Todos os anos, 59.000 toneladas de roupa chegam a um porto no Chile, e pelo menos 38.000 toneladas ficam nos aterros porque ninguém paga para que sejam recicladas ou removidas. Quanta roupa está a apodrecer em lixeiras? Além disso, em cada segundo no mundo, 1 camião de roupa arde ! Consegue imaginar os recursos que foram utilizados para produzir aquela roupa? Quanta água tem sido utilizada em vão e isto enquanto quase dois mil milhões de pessoas se vêem confrontadas com uma falta de água potável.

  • Existem cemitérios de carros não vendidos no mundo, a sua vastidão é impressionante! Dois milhões de carros novos por ano são deixados a apodrecer ao ar livre, para nunca serem comprados. Existem parques de estacionamento deste tipo em Espanha, Reino Unido, EUA, Itália, Rússia e outros países.

  • De acordo com um relatório global da ONU, 900 milhões de toneladas de alimentos são desperdiçadas todos os anos! Em termos monetários, são destruídos $750 milhões de dólares de alimentos. Com tudo isto, 811 milhões de pessoas ficaram subnutridas em 2020! Existe um índice global da fome, e as médias globais estão em constante aumento. Guerras e catástrofes climáticas anormais deixam as pessoas sem comida, com 1,3 milhões de pessoas só em Madagáscar em risco de morrer à fome! E em todo o mundo 8000 crianças morrem de fome todos os dias! Os depósitos de lixo, estão a envenenar tudo à sua volta!

Os dados sobre a quantidade de resíduos que estão disponíveis ao público são muito subestimados. Mas mesmo de acordo com estes números, deitamos fora mais de 2 mil milhões de toneladas de resíduos por ano.

A crise ecológica do planeta é o resultado do formato consumista

Apenas nos últimos 4 meses de 2021, 730 milhões de toneladas de lixo foram despejadas nas lixeiras. Em comparação, toda a população da Terra pesa 300 milhões de toneladas, o que significa que em apenas 4 meses deitamos fora 2,5 vezes o peso de toda a humanidade.

Com frequência, as lixeiras são incendiadas, causando ainda mais danos aos seres humanos e ao ambiente.

Em Agosto, por exemplo, no Kuwait, um cemitério de pneus velhos incendiou-se. Os pilares de fumo negro eram visíveis mesmo do espaço. O incêndio causou uma poluição tóxica do ar e prejudicou a saúde de quase 4,5 milhões de pessoas.

A grande parte do lixo que deitamos fora não é biodegradável e não pode ser devidamente reciclado. Assim contamina a nossa água, o nosso ar, a nossa comida — e as nossas vidas.

Só na Índia, a lixeira da Gazipur é comparável à altura do Taj Mahal. O lixo decompõe-se, libertando metano e outros químicos, a contaminar o solo e o ar ,ao mesmo tempo a contribuir para o efeito estufa. O gás da lixeira entra no solo e depois segue a água de onde é extraída a água potável.

Outro exemplo: na capital da Indonésia, existem mais de 200 fábricas de têxteis à beira do rio Citarum que produzem vestuário barato para o mundo. 20.000 toneladas de resíduos e 340.000 toneladas de águas residuais são diariamente despejadas no rio. Poluem o rio com chumbo, alumínio, ferro e mangan.

Estes são apenas alguns exemplos, mas acontece em todo o mundo! Além disso, é praticada a queima dos resíduos, o que leva à emissão de gases perigosos que contêm metais pesados tóxicos. Cádmio, mercúrio e chumbo, quando ingeridos, afetam os sistemas circulatório e nervoso e criam riscos de cancros genéticos. Um novo relatório do Fundo da UNICEF para a Infância diz que uma em cada três crianças — uma estimativa de 800 milhões de crianças — tem os níveis de chumbo no sangue tão elevados que podem ser mentalmente deficientes e até mesmo morrer.

As lixeiras do mundo moderno estão a atingir dimensões inimagináveis

A reciclagem não é a salvação da situação!

De acordo com o relatório What a Waste 2.0 (O Desperdício 2.0) do Banco Mundial, o plástico, papel e cartão, metal e vidro são 38% dos resíduos municipais. E apenas 13,5% destes resíduos recicláveis são efetivamente reciclados ao nível mundial, o que é um pouco mais de 5% do total dos resíduos. Apesar disso, as nossas taxas de produção e consumo estão apenas a aumentar, tal como as lixeiras que estão à nossa volta.

Neste momento, a reciclagem exige muito tempo e tem um custo muito elevado. Para atribuir uma tonelada de reciclagem, são gastos recursos incríveis para limpar, recolher, trazer, separar, embalar, vender e assim por diante. No final, muito mais dinheiro tem de ser gasto, e ninguém está preparado para isso. Por exemplo, um tipo de plástico PET na sua nova forma custa cerca de 500 euros por tonelada, e na sua forma reciclada cerca de 1.000 euros. Não é rentável para o produtor fazer o custo do produto duas vezes mais elevado. Além disso, em condições de dura concorrência, o seu produto fica sem rentabilidade. Os recicladores de plástico acrescentam plástico novo ao plástico reciclado e é vendido com a etiqueta RECICLADO.

Os resultados da reciclagem declarada diferem frequentemente do resultado real. Na Alemanha, por exemplo, parte do lixo considerado como reciclado vai para a lixeira nos países do Terceiro Mundo. Uma situação semelhante está a acontecer no Japão. Mesmo os plásticos que são simplesmente queimados são considerados reciclados.

O lixo da europa e dos eua vai para os países do terceiro mundo

A maior parte da reciclagem que hoje se realiza em todo o mundo deve ser referida como "downsizing". Isto significa que os plásticos que passam pelo processo de "downsizing" não podem ser reutilizados, a sua qualidade é inferior. Portanto, temos que nos perguntar: porque é que estes tipos de plásticos podem ser produzidos, se não podem ser reciclados ou reutilizados?

A Máfia do Lixo

Não é suficiente que o lixo em si prejudique o planeta, a flora, a fauna e a nós próprios, mas estamos tão cegos pelo desejo de enriquecer que surgiu um fenómeno como a máfia do lixo.

A partir do momento em que há lixo não-biodegradável e tóxico no mundo, há quem faça dinheiro com isso. Os clãs da máfia estão a comprar terrenos e a transformá-los em lixeiras. Embora possa parecer legal no papel, estas lixeiras estão na sua maioria perto de povoações residenciais e violam todos os regulamentos ambientais.

Parte importante do negócio da máfia dos resíduos é o transporte ilegal de resíduos industriais. Se uma empresa quer ver-se livre dos seus resíduos tóxicos e pagar menos dinheiro possível, entrega os resíduos à máfia. E em vez de serem eliminados de uma forma adequada e barata, os resíduos são retirados e depois desaparecem.

Por exemplo, só em Napoli e na região em redor, os ambientalistas contam pelo menos 1.200 pequenas e grandes lixeiras ilegais. A quantidade de fósforo, mercúrio, arsénio nesta região é 400 vezes superior às normas estabelecidas. De acordo com estatísticas médicas, as pessoas aqui morrem de cancro duas vezes mais frequentemente do que a média nacional.

As pessoas vivem e trabalham nas lixeiras, correndo riscos de vida e de saúde

Ao controlar as lixeiras, a máfia não só tem um lucro muito elevado, como também tem a capacidade de controlar as cidades. Porque a partir do momento em que é proibido levar o lixo para as suas lixeiras, as cidades transformam-se em lixeiras.

O que podemos mudar?

O lixo é a cara apodrecida do formato consumista da sociedade. Com isto, estamos a matar o planeta e muito mais... estamos a matar-nos a nós próprios. Não temos qualquer vantagem na reciclagem. Não temos qualquer vantagem em desenvolver tecnologia para limpar o planeta. Mas não é rentável na economia do formato consumista, que nós próprios valorizamos mais do que a vida humana

O que realmente podemos e devemos fazer hoje, é mudar o formato da sociedade, de uma sociedade consumista para uma sociedade CRIATIVA. Quando os 8 Fundamentos da Sociedade CRIATIVA forem aprovados ao nível constitucional em todos os países, este tipo de esquemas não será possível. Porque o principal valor em todo o mundo será a vida do ser humano. Nestas condições não haverá lugar para toda esta sujidade no planeta e nas relações humanas. Qualquer negócio será construído apenas com o único objetivo de melhorar a vida das pessoas, com benefícios para o planeta e para toda a humanidade.

Faça um comentário