Logo Creative Society SOCIEDADE
CRIATIVA
Participe

Respiração da Terra. Onde é que a água vai?

30 de janeiro de 2022
Comentários

Nos últimos anos, observamos como os rios e os lagos da Terra ficaram menos profundos. As reservas de água do planeta estão a desaparecer drasticamente à nossa frente, diminuindo consideravelmente de tamanho ou desaparecendo por completo. As pessoas no mundo inteiro estão a tentar encontrar a resposta: qual é a causa desses fenómenos? Quem é o responsável? E como corrigir a situação?

Mas hoje em dia muitos não têm ideia da gravidade do desastre que se aproxima...

As lagoas estão a secar

Em 2016, o segundo maior lago da Bolívia, o Lago Poopo, secou. Em Abril de 2013, ainda havia água, mas três anos mais tarde desapareceu completamente. Para os habitantes , foi uma tragédia sem precedentes e um sinal de um triste futuro.

A rápida secagem do Lago Poopo (Bolívia)

O Lago Laguna de Aculeo, que tinha 6 metros de profundidade, desapareceu no Chile. Secou em sete anos e desapareceu completamente em 2019.

O mesmo acontece na Califórnia (EUA), onde o Lago Oroville, o segundo maior reservatório do estado, está a secar a um ritmo enorme. Atualmente a água está a um nível mais baixo de sempre.

Na Rússia, não só a água desapareceu do Lago Peschera através de um buraco estreito no fundo, como até os peixes e toda a fauna aquática desapareceu.

Secam os rios e as cascatas

O rio Paraná, o segundo mais comprido da América do Sul depois do rio Amazonas, tem agora o seu nível de água mais baixo nos últimos 77 anos.

No Paquistão, o famoso rio Indus quase secou — o seu delta encolheu mais de cinco vezes. Centenas de pessoas que viviam perto do rio tiveram de abandonar as suas casas. Várias povoações ao longo da costa foram abandonadas.

Em 2013, o rio Slims (Canadá), outrora turbulento, que tinha cerca de 3 metros de profundidade, quase secou, deixando uma pequena marca nas partes mais profundas do corpo de água.

Muitos rios na América hoje também estão à beira de secar e desaparecer, desde o poderoso Colorado até à Gasconda.

Muitos rios na América estão atualmente quase a secar

O Complexo das Cataratas do Iguaçu na Argentina (Brasil), com quase 3 quilómetros de largura e um dos maiores do mundo, recentemente diminuiu o seu tamanho por cinco vezes. A catarata Victoria (África), a segunda com mais força depois da Iguaçu, estava quase a secar completamente em 2019.

O Complexo das Cataratas do Iguaçu na Argentina (Brasil)

Hoje em dia não existe um cantinho do globo que não tenha sido afetado por este problema. Em todos os continentes estamos a ver as águas a diminuir. Os cientistas americanos referem dados que ao longo dos últimos 50 anos os níveis da água nos maiores rios do mundo desceram significativamente. Apenas na China desapareceram mais de 27 mil rios, o que representa quase 50% dos rios de todo o país. Durante os últimos 30 anos, mais de 10 mil rios secaram na Ucrânia, no seu território estão a secar poços. Em Inglaterra, um quarto dos rios e metade dos pequenos riachos correm o risco de desaparecer. Devido à falta de água, a Índia está a enfrentar uma crise de água que nunca conheceu antes.

As Cataratas do Iguaçu (Argentina) a secar

Contudo, os rios e os reservatórios estão a desaparecer em todo o mundo, enquanto o número e a frequência de tempestades fortes e destrutivas estão a aumentar no mundo inteiro. Então, o que está a acontecer no planeta?

Porque e para onde a água vai?

A cada 12.000 anos, a Terra entra num ciclo de cataclismos planetários, quando a interação galáctica afeta o núcleo do planeta. O núcleo desequilibrado começa a 'saltar', o planeta acelera a sua rotação e expande-se ao longo do equador. Como resultado deste processo, formam-se micro-fissuras, através das quais a água dos rios e reservatórios escorre para grandes profundidades. Isto pode ser comparado como uma inspiração que o planeta absorve a água da superfície. Mas após a inspiração, há sempre uma expiração.

Em cada 12.000 anos, a Terra entra num ciclo de cataclismos planetários

O que será "na expiração"?

A aceleração do planeta afeta a sua força centrífuga, provocando o magma a subir à superfície da crosta terrestre e o aquecimento das águas subterrâneas. As provas deste facto já hoje podem ser vistas: os glaciares a derreter de baixo para cima, o profundo aquecimento do oceano, e a água a ferver em poços. Por exemplo, na Sibéria Ocidental, a um quilómetro e meio de profundidade, há um mar de água quente com um volume de um trilião de metros cúbicos, que é o dobro do volume do Mar Mediterrâneo. Estes mares em ebulição podem ser encontrados em muitas outras regiões do planeta. São suficientes para causar outro dilúvio bíblico.

Quando o magma atingir estas enormes reservas, a água começará a evaporar numa avalanche. É assustador imaginar a quantidade de água que vai sair da terra à medida que o planeta vai expirar! Assim, as chuvas constantes provocarão cheias catastróficas. Enfrentaremos subidas de água de quilómetros, de modo a que apenas os picos das montanhas permanecerão! E isto já tem acontecido à Humanidade.

Qual é a solução?

Hoje, o pior e o mais assustador inimigo da humanidade está contra nós — o clima. Já há muito tempo que começou uma guerra, mas nem todos compreendem nem vêem ainda devido ao nosso formato consumista. Ainda temos tempo para nos unirmos e salvar vidas na Terra. Só a Sociedade Criativa ajudará as pessoas a lidar com os cataclismos iminentes. Tornando-nos numa frente unida, vamos unir os desenvolvimentos científicos e tecnológicos dos cientistas modernos e colocá-los em defesa de toda a Humanidade. Nada é impossível para as pessoas unidas por um objetivo comum — viver numa Sociedade Criativa!

Faça um comentário